A berries loving holiday

June 19, 2016

– Berries Pavlova with lemon, mint and gooseberries curd –

 

DSC_1601DSC_1724

Deixem que vos diga, que existe uma excelente e dolorosa razão pela minha ausência.

Ora, após uma queda aparatosa de umas escadas (ok, na realidade eram apenas 2/3 degraus) dei comigo inválida em casa com um problema – não há maneira bonita de dizer isto, por isso aqui vai – no rabo. Tal coisa transformou-se num acesso de melancolia altamente motivado pelo facto de não me conseguir mexer propriamente (sem que envolvesse uma risota dos que assistiam à cena) e não conseguir fazer nada remotamente útil. Por isso, quando o meu andar passou a ser mais articulado, deleitei-me no convite de uma escapadinha nestas mini-ini-férias. No meio da natureza, na sua forma mais pura, a Casa de Campo da Quinta do Barreiro é uma visão.

Situada perto da Barragem de Ribeiradio, no Vouga, a Casa de Campo da Quinta do Barreiro é uma casa histórica com um toque moderno. Inserida numa quinta essencialmente frutícola, é no cheiro do sumo de laranja acabado de fazer (e colher), na boa disposição dos anfitriões e no sentimento incrível de estar em contacto com a natureza que a verdadeira química acontece. É realmente qualquer coisa e para acrescentar, sendo que é época dos frutos silvestres,  pude ir para a apanha das groselhas e framboesas (ok, comia mais do que o que apanhava). Aqui fica um glance do meu jornal de viagem e uma delícia de frutos silvestres.

Let me tell you, there is a good reason for this long and painful absence.

After falling down a flight of stairs (ok it was 2/3 steps) and being sort of invalid due to a serious – there’s no better way to put it – butt situation, I fell in complete and utter bleakness, without having the possibility to leave the house or do something remotely useful. So when I started to feel better, I rejoiced with the amazing invitation in getting away for the holidays. I took a dive into nature in the purest form you can ever find: Casa de Campo da Quinta do Barreiro, which is definitely a sight.

Near the Vouga River, Portugal, Casa de Campo da Quinta do Barreiro is a beautiful, historic country house with a modern twist. Being located in a large fruit farmland, it’s in the smell of fresh orange juice in the morning, the cheerfulness of the hosts and the real feeling of being in nature that the true chemistry happens. It’s really something, plus since it’s berries season, I got to go on the picking (mainly eating) of gooseberries and raspberries. Here is my peek journal and a berries treat.

-A

DSC_1784DSC_1666DSC_1779DSC_1674DSC_1768DSC_1774

– Ingredientes – 

CURD

  • sumo de 2 limões 
  • raspa de 2 limões
  • 100 gr de groselhas
  • 3 ovos
  • 200 gr de açúcar
  • 50 gr manteiga
  • folhas de hortelã
  • 150 gr de groselhas + 150 gr de framboesas para cobertura
  • açúcar em pó qb

MERENGUE

  • 4 claras
  • 250 gr de açúcar
  • 1/2 colher de chá de essência de baunilha
  • 1/2 colher de sopa de maizena
  • 1 colher de chá de sopa de vinagre de framboesa

 – Preparação – 

Ligar o forno a 120ºC.

Começar por fazer o curd. Numa tigela sobre um tacho com água quente, juntar o sumo de groselha (que deve ser previamente triturado com duas colheres de sumo de limão e coado), o sumo de limão, o açúcar, os 3 ovos e as folhas de hortelã inteiras. Bater continuamente durante cerca de 10 minutos até a mistura apresentar-se homogénea e com um ar mais denso. Retirar a tigela da água quente, remover as folhas de hortelã, acrescentar a manteiga cortada aos pedaços e por fim as raspas do limão. Envolver tudo até a manteiga derreter e reservar. Esta é a altura em que se prova mais do que uma vez o curd, só para saber se ele é assim tão bom como parece… e é!

Num recipiente médio (preferencialmente de inox), completamente limpo e seco, dividir muito bem as gemas das claras. Bater as claras em castelo, acrescentando a farinha maizena e o açúcar de forma faseada, até que o merengue fique firme e forme picos. Envolver a baunilha e o vinagre, sem bater.

Num tabuleiro de ir ao forno, sobre uma folha de papel vegetal, dispor o merengue de  modo a criar uma forma tipo taça (aceitam-se criatividades) tendo em atenção que as laterais devem ser mais altas que o centro. Levar ao forno durante 75-90 minutos. Deixar arrefecer sobre um tabuleiro de pasteleiro e tentar ao máximo não ir comendo o merengue antes de o rechear. Sim, é muito difícil, … ok, só se for assim uma pontinha. Rechear o merengue com o curd totalmente arrefecido e cobrir com as framboesas e groselhas (sim, vai com os ramos e tudo, para dar aquele ar meio campestre à coisa), deitar um pouco de açúcar em pó e servir. A Pavlova não resiste muito tempo no frigorífico, por isso não é para se fazerem de rogados, quanto mais fresca, melhor.

– Ingredients – 

CURD

  • 2 lemons’ juice 
  • 2 lemons’ zest
  • 100 gr gooseberries
  • 3 eggs
  • 200 gr sugar
  • 50 gr butter
  • mint leaves
  • 150 gr gooseberries + 150 gr raspberries for topping
  • sugar powder

MERINGUE

  • 4 egg whites
  • 250 gr sugar
  • 1/2 tsp vanilla extract
  • 1/2 tsp cornstarch
  • 1 tsp raspberry  vinegar

 – Preparation – 

Heat the oven to 120ºC.

Start with the curd. In a heat proof bowl add the gooseberry juice (previously scrunched and strained with 2 tbsp of the lemon juice), the lemon juice, the sugar, 3 eggs and the mint leaves. Put the bowl in simmering water pan, and whisk for about 10 minutes, until you get an even and more dense mixture. Take it out of the heat and remove the mint leaves, add the chopped butter slices and lastly the lemon zest. Mix it until the butter melts and let it rest. This is probably the time where you go and taste the curd a few times, just to make sure it tastes and looks as good as it does… yup it does!

In a medium bowl (preferably a  stainless steel one), completely washed and dried, divide the egg whites and whip them until foamy. Add the cornstarch and the sugar in a phased manner until the meringue is steady, peaks and doesn’t fall on your head. Blend the vanilla and the vinegar, without whisking it. 

In an oven tray, over a baking sheet, set the meringue and lay it like a bowl (you can go creative here), but beware, the meringue walls must be higher than the center. Bake it for about 75 to 90 minutes. Let it cool in a baking tray and try as hard as you can not to eat it before stuffing it. I know it’s hard, ok maybe just a little bit of the edge, just to check the crunchiness. Stuff the meringue with the curd (it must be completely cooled down) and put the gooseberries and the raspberries on top of it. Decorate it with a little bit of sugar powder and that’s it. The Pavlova doesn’t do well in the fridge for very long, so don’t be shy and eat it all. The freshest it is, the better it tastes.

Madeira Wine, Caramelised Pear and Blue Cheese Soufflé

April 29, 2016

– And an Invitation –

Well, I’ve come to realize that throwing a party and not sending out invitations is not a way to go, so, after some requests from my dear readers I have decided to engage in some serious social media thing and bring The Good Old Fashion to the so weary facebook. Yup that is right, you can now totally check out the new post there and frequent thrifts of my every day life, uh so exciting – really it’s not! 

I haven’t come bare handed though, I bring you a delicious savoury dish, my first one on the blog – yumm is in order. And yes there is cheese, mouth-watering cheese – huge fan here – and pear (full stop). The truth is, while not being the greatest fan of pear, I must admit that it’s one hell of a combo, so trust me and give it a try, besides the name is so gourmet-ish right? Actually you just need to add caramelised or reduced something in a food sentence to get that food connoisseur feel. So here you go my dear readers, give it a like and a stir.

Bem, cheguei à conclusão que dar uma festa sem fazer os convites, não é a melhor ideia para a coisa se dar. Por isso, e depois de alguns dos meus leitores me pedirem, decidi envolver-me seriamente nesta coisa do “social media” e levar o The Good Old Fashion para o enfadonho facebook. Yup, é isso mesmo, agora é possível ver o que por aqui ando a fazer e ler as minhas mundanices – super excitante não é? Acreditem – não é!

Mas calma, que eu não venho de mãos a abanar. Hoje trago-vos um prato (mais ou menos) salgado e delicioso, podem babar, porque é evento para tal. Sim, tem queijo, como não podia deixar de ser, sendo eu uma fã inquestionável, daquelas que era capaz de fazer quilómetros por uma fatia (been there, done that) e tem pêra também – a falta de entusiasmo notório revela a minha falta de amor pelo fruto em causa, mas que quando se junta a queijo, é uma combinação vencedora, digna de bis (bises se é que assim se pode dizer). Para além disso o nome é super sugestivo e dá aquele arzão gourmet que toda a gente adora. Na verdade é só por caramelizado e reduzido em qualquer coisa para se passar a ter aquele feel de verdadeiro connoiseur culinário. Por isso aqui têm, ponham um gosto aqui e uma mexida ali.

– A

Soufflé

Soufflé

Soufflé

Soufflé

– Ingredients – 

  • 3 medium pears 
  • 150 gr blue cheese
  • 250 ml Madeira wine
  • 1/3 cup brown sugar
  • 1/3 cup honey
  • 75 gr butter
  • sea salt
  • sage
  • black pepper

_______

  • 30 gr breadcrumb
  • 40 gr butter
  • 40 gr plain flour
  • 1 teaspoon dijon mustard
  • 3 dl milk
  • 5 eggs
  • 1 extra white egg white
  • salt and pepper

 – Preparation – 

Preheat the oven to 180 degrees.

Peel the pears. In a pan, melt the butter with the sage and then add the honey until you get an even mixture, put the pears in and let them get a little brown. Sprinkle the brown sugar, pour the wine and smell it, perfection right? Spread a little of sea salt and pepper and bring the flavours into the pears for about 15 minutes, giving it a stir from time to time. Lay aside.

Now start preparing the soufflé. 

Grease the soufflé dish with a butter, and sprinkle in the breadcrumbs rotating the dish to ensure the butter is evenly coated. In a medium pan start making the sauce. Melt the butter and then add the flour till you have sort of a ball of the mixture, add the mustard and two spoons of that lovely pear sauce, that will give the soufflé and extra flavour of Madeira wine and honey. Gradually, put in the milk, stirring it until the sauce is thickening. Let it bake for about 3 minutes and let it cool a little bit. Crack the eggs, placing the whites into a clean bowl and stirring the yolks into the sauce, mixing everything together. Put sliced pears and the blue cheese in and don’t bother if the cheese doesn’t melt right away – it’s really good when you find a bunch of it in the soufflé while you eat it. Season it with salt and pepper to your liking. 

Whisk the egg whites until peaks form and hold the shape. Take a spoon of it and add it to the sauce to loosen it. Add the remaining egg whites wrapping it very carefully. Spoon the mixture into the soufflé dish and with a cutlery knife run it around the edge to create that chefs hat effect. Let it bake for about 30 minutes or until the soufflé rises and present that gold color on top. Serve right away with some crostinis and green salad.

– Ingredientes – 

  • 3 pêras médias 
  • 150 gr queijo azul
  • 250 ml vinho da Madeira
  • 1/3 chávena açúcar amarelo
  • 1/3 chávena de mel
  • 75 gr manteiga
  • flor de sal
  • sálvia
  • pimenta preta

_______

  • 30 gr pão ralado
  • 40 gr manteiga
  • 40 gr farinha
  • 1 colher de chá de mostarda de dijon
  • 3 dl leite
  • 5 ovos
  • 1 clara extra
  • sal e pimenta

 – Preparação – 

Pré-aquecer o forno a 180 graus.

Descascar as pêras. Numa panela, derreter a manteiga com a sálvia e adicionar o mel até que esteja obter uma mistura homogénea. Acrescentar as pêras ao molho até que fiquem ligeiramente caramelizadas. Deitar um pouco de açúcar mascavado para ajudar na coisa. Juntar o vinho – perfeito, não é? Adicionar um pouco de flor de sal e pimenta envolvendo tudo e deixar apurar cerca de 15 minutos, mexendo sempre que necessário. Reservar.

Agora preparar o soufflé. 

Untar a forma de soufflé com manteiga e polvilhar com pão ralado uniformemente. Numa panela média, vamos ao molho. Derreter a manteiga e adicionar a farinha até obter uma espécie de bola, adicionar a mostarda e aquela calda deliciosa das pêras, assim o soufflé terá mais sabor ao vinho e ao mel. Gradualmente deitar o leite, mexendo sempre até que o molho comece a engrossar. Cozinhar cerca de 3 minutos e deixar arrefecer. Numa tigela partir os ovos, separando as gemas das claras, as gemas são adicionadas uma a uma ao molho do soufflé, procurando sempre uma mistura aveludada. Deitar o queijo e as peras cortadas aos bocados, e se o queijo não derreter todo, ainda melhor, vai ser tipo Kinder surpresa quando estivermos a comê-lo. Temperar com sal e pimenta a gosto. 

Bater as claras em castelo firmemente. Retirar uma colher e juntar ao preparado anterior para o soltar. Juntar as restantes claras envolvendo sempre, sem mexer. Deitar tudo na forma e com uma faca afiada passar pela borda da forma, para criar o efeito de chapéu. Pôr no forno e assar por 30 minutos ou até o soufflé crescer e apresentar aquele tom dourado no topo. Servir com uns crostinis e uma salada verde.

Homemade Granola

April 10, 2016

– And a spring scent –

homemade granola

homemade granola

homemade granola

homemade granola

homemade granola

homemade granola

Have I told you I love granola? Actually, it is due to my lack of sympathy towards milk and flavoured yogurts. I’m really not a picky person – I swear – it’s just this, and coffee, and tea (ok, fine, I give up!). Anyway, I do love plain and simple yogurt – give me a greek one any time, add some fruit and granola and I’m really rocking that healthy diet all the way.

The idea appeared to me the other day when I got a granola packaging briefing (if you recall I’m a creative designer, so I do stuff like this from time to time apart of the usual drawings you think we, designers, really do), and that got me thinking, how hard can it be to prepare it? I’m kind of having a 1/3 life crisis and owning up to what I’m eating nowadays has become fundamental for me. Knowing where does it all come from, how it’s made, how is it processed, does it contain any sort of chemicals and so forth  – all this at a non-conspiracy-theory-kind-of-level.

So, without further ado, I decided to give it a try. Don’t worry, the recipe has already been tested (twice) and received great reviews, so you are safe. It’s really quite simple and the smell is absolutely delicious, you should definitely give it a try.

– A

Já vos tinha contado que sou uma granolina? Na realidade esta fixação pela granola é devida à falta de opções de pequeno-almoço e lanches, sendo que detesto leite e chá… e café (juro que não sou daquelas esquisitinhas niquentas que ninguém pode levar a jantar a casa de familiares, com risco de receber aqueles olhares reprovadores, não senhora,  é mesmo só estas três coisas mínimas e insignificantes). Portanto eu gosto bastante de iogurtes simples, se forem gregos ainda melhor, juntando umas frutas, mel e a bela da granola e temos uma combinação vencedora, capaz de me manter no curso de dieta saudável a qualquer altura do dia.

A ideia iluminou-se-me no outro dia quando me foi entregue um briefing para o design de embalagem para uma granola (sim, eu sou designer, se bem se lembram, o que quer dizer que à parte dos eternos bonecos que a maioria acha que é o meu trabalho, também faço estas coisas mais “adultas” e tal), seja como for, foi coisa para me por a pensar, quão difícil será fazer tal coisa? Para os que desconhecem, eu estou a ter uma crise de terço de idade, o que quer dizer que ando super atenta ao que como e como como (wow muitos comos juntos), embora ainda não na vertente de teoria da conspiração, calma!

Portanto, sem grandes delongas, decidi experimentar e trago-vos aqui a dita receita aprimorada por moi myself, e sendo que já foi testada (por duas vezes) e muito elogiada, é seguro fazerem também. Acreditem que vale a pena e tem o plus de poderem tirar e pôr as sementes e frutos que quiserem ao vosso gosto.

-A

– Ingredients (yield: about 2kg) – 

DRY MIX

  • 600 gr full oatmeal
  • 150 gr toasted whole wheat flakes
  • 150 gr full barley flakes
  • 150 gr sunflower and other seeds
  • 200 gr dried fruits (coconut, dried blueberries, dried mango, raisins, dried cranberries, …)
  • 200 gr nuts (pecan nuts, cashews, peanuts, …)

SAUCE

  • 250 gr flowered honey
  • 50 ml peanut oil 
  • 100 gr brown sugar (or coconut sugar)
  • 2 tablespoons of vanilla scent
  • 2 teaspoon of cinnamon
  • pinch of salt

 – Preparation – 

Preheat the oven to 180 degrees.

In a large bowl mix the dry ingredients altogether, except for the fruits.

In a small pan start making the sauce. Put the heat at medium temperature and add the honey, the sugar and the peanut oil, always stirring the dressing so you don’t overdo the caramel. Join the cinnamon, the vanilla extract and season it with salt to give that extra twist. The more sugar you add, the crunchier the granola will get. Pour the sauce into the bowl with the dry stuff and with a wooden spoon mix till you get an even dough.

In an oven tray, spread a cookie sheet and pour the mix into it; you’ll probably need two trays for the whole 2kg of granola, so be prepared. And if you are worrying about the fruit, don’t be, I haven’t forgotten, you’ll add them in the end, so it doesn’t lose that freshness and stickiness.

Let it bake for about 45 minutes, or until the mix is golden and crunchy, stirring it every 15 minutes so it doesn’t stick and burn. Let it cool in a pastry tray and add the dry fruit. Keep it in a airtight container or in a jar with a very tight lid. It should preserve it for about a month or more.

As an eating suggestion, serve it with plain greek yogurt, some red fruits and sprinkle it with honey.

– Ingredientes (peso: cerca de 2kg) – 

MISTURA SECA

  • 600 gr flocos de aveia integral
  • 150 gr flocos de trigo integral tostados
  • 150 gr flocos de cevada
  • 150 gr sementes de girassol e outras sementes
  • 200 gr frutos secos (côco, mirtilos, manga, passas, groselhas, …)
  • 200 gr de uma mistura de nozes pecan, cajus, amendoins, …

MOLHO

  • 250 gr mel de flores
  • 50 ml óleo de amendoim 
  • 100 gr açúcar mascavado (ou açucar de côco)
  • 2 colheres de sopa de aroma de baunilha
  • 2 colheres de chá de canela
  • sal

 – Preparação – 

Preaqueça o forno a 180graus.

Numa tigela grande, misture os ingredientes secos com excepção dos frutos secos.

Numa panela pequena, comece a fazer o molho. Em lume médio junte o mel, o açucar e o óleo de amendoim, mexendo sempre para que o caramelo não queime. Junte a canela, o aroma de baunilha e o sal para aquele travo salgado. Quanto mais açucar juntar, mais crocante ficará a granola. Deite o molho sobre a mistura seca e com uma colher de madeira envolva tudo até obter uma mistura homogénea.

Num tabuleiro de levar ao forno, ponha uma folha de papel vegetal; provavelmente irá precisar de dois tabuleiros se quiser fazer os 2kg de granola, por isso esteja preparado, e se está a pensar o que terei feito com os frutos secos, não se preocupe, não foram esquecidos, irá juntá-los no final, para que não percam aquela frescura e textura.

Deixe cozinhar durante 45 minutos ou até a mistura ficar dourada e crocante, mexendo a cada 15 minutos para que não fique queimado nem colado. Deixe arrefecer numa rede de pasteleiro e adicione os frutos secos. Reserve em frascos isolantes ou com tampa bem apertada. Deverá preservar a granola por cerca de 1 mês.

Como sugestão, sirva com iogurte grego natural, frutos vermelhos e regue levemente com mel.

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com tengag.com moviekillers.com